N E W S

MÁXIMO DESEMPENHO x MÍNIMO DESGASTE

Indivíduos e organizações tentam desempenhar melhor e com isso ganhar em produtividade. Entretanto esse processo é dificil, pois enfrentar desafios e manter a alta performance requer habilidades que poucos indivíduos possuem, resultando em diminuição da força e vigor, desgaste conhecido como “crise da energia humana”, e suas negativas consequências como fadiga, desmotivação, stress, exaustão e queda da imunidade. Por outro lado, mesmo que o empregado tenha treinamento de alta qualidade e ferramentas mais adequadas ao seu lado, o seu estado de saude fisica e mental interfere nos resultados. Se fossemos máquinas talvez tivéssemos por parte de nosso empregador, uma manutenção melhor. Áreas de s

SAÚDE - INCENTIVOS OU PUNIÇÕES?

O QUE LEVA AO ENGAJAMENTO E MUDANÇA DE COMPORTAMENTO? No palco da saúde corporativa pós Covid 19, o estimulo à adoção de hábitos saudáveis pelos colaboradores impacta no engajamento, atenua a preocupação com os riscos e melhora a percepção sobre o cuidado e proteção oferecidos. Empresas e colaboradores experimentam dores significativas pelas incertezas existentes, e a área de RH tem foco aumentado no cuidado, no bem-estar e na proteção aos colaboradores e familiares, além da percepção do valor da saúde estar mais forte no momento. Essas verdades são argumentos que mostram o potencial de contribuição de programas motivacionais. Motivação é a força motriz pela qual os seres humanos atingem seu

HOUSTON , WE HAVE A PROBLEM...

Responder decisivamente a novos problemas de saúde que surgem significa um ponto importante na gestão pessoal de saúde. Uma analogia que pode ser feita é a conhecida história da Apolo 13 marcada pela frase “Houston We Have a Problem”, onde a resposta rápida dos astronautas e do suporte do centro de controle em Houston, contribuíram para um final feliz. Pensei nisso porque certa vez, durante uma caminhada matinal com um amigo por um condomínio na periferia de Washington DC, fui apresentado a um senhor que estava lavando seu carro no gramado, e que era nada mais nada menos que Jim Lovell o comandante da Apolo 13. A conversa foi curta, mas inesquecível, pois girou em torno da tomada rápida de d

OS MITOS DO CHECKUP

Muitas doenças são assintomáticas e permanecem ocultas até o ponto em que sintomas se tornam mais presentes e mais difíceis de gerenciar. Fazer um checkup periódico aumenta as chances de perceber uma doença em seu estágio inicial e assim poder ser curada. Mesmo que os mais elaborados não detectem precocemente doenças com 100% de exatidão, podendo criar uma sensação de falsa segurança, ainda são recomendados por corporações que desejam “assegurar” a saúde de seus executivos. Esse serviço está sendo descontinuado, pois para alguns, encorajam a crença de que uma avalição regular elimina a necessidade de se preocupar tanto com a manutenção da saúde. O modelo atual apesar de parecer, não é orient

A Saúde Ocupacional vai AO encontro ou DE encontro à Saúde Assistencial?

Usando o termo de modo correto, as duas saúdes deveriam ir ao encontro uma da outra, apesar de que até hoje foram de encontro. Essa realidade corporativa mostra que apesar das duas se intitularem saúde, possuem olhares distintos, discursos opostos, abordagens diferentes e nenhuma integração. Os objetivos e a percepção de valores são claramente desiguais. Estamos enfrentando rápidas mudanças na vida profissional como consequência da pandemia. Mudanças em empregos, tecnologia para trabalho virtual, formas diferentes de comércio somadas à crise financeira, estão tendo impactos na saúde do trabalhador em todo o mundo. Tentativas tem sido feitas para melhorar os métodos e o local de trabalho e, c

MANUTENÇÃO DA ENERGIA VITAL DURANTE E PÓS PANDEMIA

Um longo período de isolamento e inatividade leva à perda das funções diárias, da mobilidade e da energia vital. São queixas comuns consequentes a esse momento de isolamento. Se além dessa experiência você foi contaminado pelo vírus, sua primeira preocupação é a própria doença e depois o esforço para recuperar essas funções. A energia, a capacidade respiratória e a saúde muscular se recuperam lentamente e claramente são essenciais para atingir um bom nivel de saúde. Os músculos desempenham um papel crítico. Eles são responsáveis por quase 40% de nosso peso corporal, sendo também um órgão metabólico atuando em tecidos e órgãos do corpo. Fornece nutrientes a área e órgãos vitais durante períod

A MEDICINA DO FUTURO

Mishio Kaku em seu livro “Physics of the Future” mostra como a ciencia moldará o destino da humanidade e o nosso dia a dia por volta do ano de 2100. Segundo o cientista e professor de fisica teórica na Universidade de New York, historicamente a medicina passou por 03 grandes estágios: O primeiro que durou quase 10 mil anos, foi dominado por superstições, bruxarias e boatos. Com alta mortalidade infantil, a expectativa de vida girava em torno de 18 a 20 anos. Algumas ervas medicinais e substancias químicas foram descobertas durante esse período, como aspirina, mas não haviam processos sistemáticos para encontrar-se novas terapias. Infelizmente os medicamentos que realmente funcionavam eram gu

POR QUE AVALIAR ESTILO DE VIDA, RISCOS, INTERESSES E NECESSIDADES NA ATENÇÃO À SAÚDE?

últimos 50 anos CENÁRIO Avaliar os riscos de saúde constitui um dos principais componentes de programas de atenção à saude, independentemente do segmento e população considerados. Conhecer comportamentos, hábitos, nivel de informação, atitudes, preferências, história médica, motivação para mudanças e desejos em relação à saúde é absolutamente essencial no processo de aperfeiçoamento da saúde. Importante entender o contexto, o processo e o propósito que envolvem o uso do instrumento de avaliação. Explorar as origens desse conceito e, o que sabemos e não sabemos sobre seu uso e utilidade é fundamental. Identificar as perspectivas, saber selecionar a melhor ferramenta e estar atualizado sobre a

SAÚDE - A PRIMEIRA DE TODAS AS LIBERDADES

A importância e o valor de hábitos e comportamentos saudáveis que nos levem a uma saúde plena, e que diminuam os riscos universais de problemas crônicos são reconhecidos por todos e, fazer a escolha correta tomando decisões preventivas é a garantia de uma vida longa, com mais vitalidade e qualidade. Esse contexto me fez fazer uma introdução baseada em um momento marcante em minha vida, uma experiência vivida 16 anos atrás. Numa conversa informal com meu filho, falamos sobre pontos da terra que seriam interessantes conhecer. Um deles era o Himalaya e seu marco principal, o Everest. Naquele tempo, ir ao campo base era uma aventura e tanto, pois não havia uma estrutura segura como agora. Ter a

REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO DE SAÚDE CORPORATIVA

Saúde deve ser percebida como forma de capital, da mesma forma como são percebidos conhecimento, habilidades, etc. É um recurso do dia a dia, facilitado pela combinação de conscientização, comportamentos, e ambientes que apoiem e estimulem práticas saudáveis. Mais do que a definição classica, saúde significa ter energia e capacidade para fazer e apreciar aquilo que se gosta, manter competências sob ameaças, adversidades ou imprevisibilidades e saber se recuperar de traumas e exaustões. Muitas empresas operam acreditando que alta performance está relacionada exclusivamente com capacidade intelectual e cognitiva. Para crescer e ter sucesso, companhias devem focar em todos os elementos da perfo

COMO ESTÁ A RELAÇÃO DINÂMICA ENTRE EMPREGADORES E PROVEDORES?

Emergências naturalmente atraem atenção e recursos — a resposta ao Covid-19 não é exceção. Entretanto os problemas expostos pela pandemia indicam necessidade urgente de se preparar para os próximos capítulos dessa crise, que incluem nova onda da virose, dívidas e escassez. Também destacam a oportunidade de desenvolvimento de um sistema de assistência médica mais resiliente para o futuro e, é nesse cenário que as empresas devem ter um papel relevante. Para as empresas, esse período de tensão econômica tem exacerbado os sempre presentes desafios da gestão dos custos da má saúde seus empregados. O futuro curso da doença e da economia são incertos, porém, as organizações que são rigorosas na com

A AVALANCHE DE APLICATIVOS DE SAÚDE

Uma incrível quantidade de aplicativos de saúde inunda o mercado. Muitos falham porque não conseguem obter uma massa crítica de engajamento por parte dos usuários. Se os desenhos não forem reconsiderados e simplificados, a grande maioria sofrerá o mesmo destino. O histórico nos mostra que o único meio desses aplicativos terem sucesso é a simplicidade e, demonstrar imediatamente seu valor oferecendo interação e customização com e para o usuário. Apesar de que 94% dos consumidores utilizam ou estão dispostos a usar tecnologia para monitorar seu estilo de vida e sinais vitais, 85% deles concordam que é difícil manter o uso por um tempo prolongado, apesar de perceberem que o uso fortalece o enga

A PONTE ENTRE A ASSISTÊNCIA MÉDICA E A EDUCAÇÃO PESSOAL EM SAÙDE

Os custos da assistência médica, apesar de todos os esforços realizados, continuam altos e crescentes. O desconforto existe de ambas as partes, cliente e fornecedor. Cliente sente que paga muito pelo que recebe e o fornecedor sente que recebe pouco pelo que entrega. O recurso corporativo para elevar a qualidade do plano oferecido a seus empregados é limitado e quando se fala em aumento, mesmo que mínimo, as negociações se tornam difíceis. Mais de 90% da verba da área de saúde é usada para tratamento de doenças, e quase nada é direcionado para uma efetiva prevenção. Sabemos também que os custos indiretos (absenteismo, presenteismo e afastamentos) são 2 a 3 vezes maiores que os custos diretos

Destaques
Arquivos
Acompanhe
  • Grey LinkedIn Icon
  • Cinzento Ícone Google+
  • Grey YouTube Icon

São Paulo - Brasil contato@cph.com.br

  • White LinkedIn Icon
  • White YouTube Icon
  • Branco Ícone Google+