A PONTE ENTRE A ASSISTÊNCIA MÉDICA E A EDUCAÇÃO PESSOAL EM SAÙDE

August 2, 2020

 

Os custos da assistência médica, apesar de todos os esforços realizados, continuam altos e crescentes. O desconforto existe de ambas as partes, cliente e fornecedor. Cliente sente que paga muito pelo que recebe e o fornecedor sente que recebe pouco pelo que entrega.

O recurso corporativo para elevar a qualidade do plano oferecido a seus empregados é limitado e quando se fala em aumento, mesmo que mínimo, as negociações se tornam difíceis.

 

Mais de 90% da verba da área de saúde é usada para tratamento de doenças, e quase nada é direcionado para uma efetiva prevenção. Sabemos também que os custos indiretos (absenteismo, presenteismo e afastamentos) são 2 a 3 vezes maiores que os custos diretos (médicos e internações) e isso claramente mostra a necessidade de intervenções diferenciadas.

 

Tecnologia, experiência e conhecimento, linhas de cuidado criativas, são meios de desacelerar os custos, mas falta um elo nessa corrente – educação efetiva.

 

Mesmo que um profissional tenha o melhor treinamento e as mais adequadas ferramentas de trabalho, ainda assim a saúde e a capacidade funcional terão grande impacto no desempenho e na produtividade. O perfil profissional dessa nova era, além do conhecimento, criatividade, familiaridade com a tecnologia, relação diferenciada com clientes, começa a ser reconhecido pelo estilo de vida saudável que consolida suas competências.

 

A área de treinamento começa a perceber que, além de investir na qualidade profissional, faz sentido contemplar a qualidade pessoal em seus processos e programações. A qualidade pessoal coloca-se num patamar diferente, pois transcende a capacidade técnica. Entre as competências profissionais é aquela que contribui fortemente para que os objetivos profissionais e pessoais sejam plenamente atingidos.

 

As políticas de saúde e segurança devem fornecer informação e treinamento a todos os empregados para que possam minimizar seus riscos. Treinamento deve ser desenhado para proteger empregados e conscientizá-los sobre a responsabilidade pessoal. Acrescentar saúde na programação é fácil e traz benefícios entre os quais:

  • Sensibilizar para uma nova tendência na área

  • Mostrar o que o conceito representa como diferencial

  • Capacita profissionais e empregados na gestão pessoal da saúde

  • Diminui o absenteismo e a sinistralidade

  • Reforça o valor estratégico da área, etc

 

A realidade corporativa demanda ênfase estratégica no desenvolvimento da educação, se tornando também numa organização que aprende. Numerosos programas devem ser realizados para manter a competitividade e isso exige treinamento constante.

 

Esses argumentos mostram que é possível colocar a gestão pessoal de saúde como parte do programa de treinamento e desenvolvimento. Uma inovação bem recebida, possível e que principalmente não afeta os recursos da assistencia médica.

 

Transformar o modo como a saúde pode ser abordada, produz resultados que as organizações precisam. Esse treinamento deve funcionar de forma constante e permanente. As pessoas devem se conscientizar que como em qualquer outro processo de conhecimento esse exige disciplina, dedicação e compromisso. Desde que os benefícios sejam visíveis, a motivação se mantém. Criam culturas organizacionais melhores.

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Destaques

A PONTE ENTRE A ASSISTÊNCIA MÉDICA E A EDUCAÇÃO PESSOAL EM SAÙDE

August 2, 2020

1/8
Please reload

Arquivo
Please reload

Acompanhe
  • Grey LinkedIn Icon
  • Cinzento Ícone Google+
  • Grey YouTube Icon

São Paulo - Brasil contato@cph.com.br

  • White LinkedIn Icon
  • White YouTube Icon
  • Branco Ícone Google+