GESTÃO PESSOAL DA SAÚDE - MEDICINA INDIVIDUALIZADA

A manipulação genética para o bem e para o mal da humanidade



Numa visita à Mayo Clinic (Minnesota) junto com meu amigo Luiz Ernesto Guerreiro, expert na área de educação para a vida ativa, uma das áreas que chamou a atenção foi o Center for Individualized Medicine (mayoresearch.mayo.edu), um ambicioso serviço cujo valor primário é atender de forma personalizada as necessidades do paciente.


A revolução da ciência genômica e as análises subsequentes representam um grande avanço na prática médica e as descobertas nessa área tem contribuído para melhor quantificação de riscos, diagnósticos mais precoces e formas de tratamento mais seguras.


Terapias com o objetivo de consertar falhas genéticas estão mudando prognósticos e vidas e aplicações clinicas já estão disponíveis:

· Analise do genoma

· Eficácia ou resistência a drogas

· Genes resistentes a perda de peso, a facilidade de ganho na aptidão física, etc.

· Testes médicos de biomarcadores

· Pesquisas em microbiomas, fármacos, epigenetica e associação de dados biológicos com clínicos (clinomics)


Essa nova medicina que combina o tratamento às informações genéticas e biológicas do paciente é uma ótima promessa. A Mayo Clinic tem quase uma centena de tratamentos personalizados disponíveis desde linfomas, melanomas, entre outros. Existem ainda muitos obstáculos nesse caminho, mas boas coisas estão acontecendo como por exemplo o custo do sequenciamento do genoma que diminui em quase 95% desde o início, há 15 anos. Identificar a causa precisa de uma doença não garante a existência de tratamento, e mesmo se existir, o custo ainda é alto. Em outras frentes, médicos estão usando a informação genética para predizer como será a resposta do paciente ao tratamento com determinada droga. Em um grupo de 12 pessoas, a mesma droga tem efeito positivo em 08, em 02 não há resposta e em 02 os efeitos colaterais são danosos.


Desafios como doença coronariana, diabetes tipo 2 e depressão são mais complexos pois resultam da combinação de predisposição genética e influências ambientais. Tratamentos individualizados serão opções possíveis em algum momento e os pesquisadores esperam que alguns desses problemas, incluindo câncer poderão ser evitados.


Poderemos ter uma prescrição individualizada para a prevenção? Essa é a pergunta de um bilhão de dólares...

Nesse momento, as pesquisas caminham para descobrir variações genéticas que podem estar associadas a um risco elevado de doença. O departamento de cardiologia preventiva do Massachusetts General Hospital descobriu 45 diferentes variações genéticas que podem identificar uma categoria de individuos que tem um risco muito maior de ataque cardíaco. No futuro, a terapia genética será capaz de curar a maioria das quase 5 mil doenças genéticas conhecidas tais como fibrose cística, doença de Tay-sachs, anemia falciforme, etc., entretanto o progresso será lento e os resultados ainda controversos. O maior alvo da terapia genética atualmente é o câncer. Quase 50% deles estão ligados a uma avaria no gen p53 e as pesquisas estão sendo conduzidas para inserir um p53 saudável no paciente.


A cura das doenças é um dos mais antigos objetivos da humanidade e mesmo daqui a 100 anos não será totalmente alcançado, pois as doenças sofrem mutações mais rapidamente do que conseguimos curá-las.

Vivemos num oceano de bactérias e vírus que existem há bilhões de anos antes dos humanos aparecerem.


Muitas doenças têm origem em animais e esse é o preço que pagamos por domesticá-los, cujo processo começou há 10.000 anos. Com o crescimento das cidades essas contaminações rapidamente se espalharam na população humana atingindo massa crítica e criando pandemias como a que vivemos atualmente.

Um problema é que os humanos estão em constante expansão para novos ambientes, destruindo florestas construindo fábricas e sem dúvida novas surpresas vindo das florestas acontecerão e infelizmente a cura dessas doenças chegará ainda mais tarde.


A guerra contra os germes é muito antiga, e por outro lado a engenharia genética tem condições de criar armas biológicas com germes deliberadamente modificados para aumentar a letalidade ou a habilidade de se disseminar. A ameaça existe e um fato real foram os envelopes com antrax enviados pelo correio após o 11 de setembro. O ponto é que mesmo um único individuo com conhecimento biológico suficiente pode aterrorizar o mundo. Todos esses pontos envolvendo a manipulação genética e molecular estão se desenvolvendo rapidamente. Até onde vamos é a grande questão? GO AHEAD


Destaques
Arquivo
Acompanhe
  • Grey LinkedIn Icon
  • Cinzento Ícone Google+
  • Grey YouTube Icon