IMUNIDADE - COMO SABER SE ESTAMOS COM O ORGANISMO PROTEGIDO?


GRUPO SAÚDE CORPORATIVA

O sistema imunitário consiste num time de células, proteínas, tecidos e órgãos que lutam contra doenças, germes e outros invasores. As doenças decorrentes da imunodeficiência envolvem o mau funcionamento do sistema imunológico, afetando a capacidade de defesa contra células estranhas (bactérias, vírus, fungos, células cancerígenas, etc) que invadem ou atacam o organismo, resultando na presença de infecções que se desenvolvem e aparecem com uma frequência maior do que o normal, com maior gravidade e duração.


Podem resultar do uso de um fármaco ou de uma doença séria de longa duração (como câncer), mas também podem ser hereditárias. Outro problema é que até 25% das pessoas com imunodeficiência também apresentam uma doença autoimune quando o sistema imunológico ataca o tecido do próprio corpo. Algumas vezes, a doença autoimune se desenvolve antes de a imunodeficiência causar qualquer sintoma.

Algumas doenças decorrentes de imunodeficiência encurtam a expectativa de vida. Outras persistem durante toda a vida sem, no entanto, afetar a expectativa de vida e algumas outras, ainda, desaparecem com ou sem tratamento.

Doenças secundárias decorrentes de imunodeficiência

Estas doenças podem ser um resultado de doenças prolongadas (crônicas) e/ou sérias como diabetes ou câncer, medicamentos, raramente, radioterapia. Podem resultar praticamente de qualquer doença grave prolongada. O diabetes exemplo, pode conduzir a uma doença decorrente de imunodeficiência, porque os glóbulos brancos não funcionam bem se a concentração de glicose no sangue estiver elevada. O vírus HIV causa a síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS). Muitos tipos de câncer podem causar imunodeficiência. Por exemplo, qualquer câncer que afete a medula óssea (leucemia e linfoma) pode impedir que a medula óssea produza leucócitos normais (células B e células T), que são parte do sistema imunológico.


A desnutrição ou má nutrição quer seja referente a todos ou a apenas um nutriente, pode danificar o sistema imunológico. Quando a desnutrição causa uma perda de peso até menos de 80% do peso recomendado, o sistema imunológico é afetado. Uma redução para menos que 70% geralmente resulta em comprometimento grave. Imunodeficiências secundárias também ocorrem em pessoas idosas e pessoas hospitalizadas.

Imunossupressores são fármacos deliberadamente utilizados para suprimir o sistema imunológico. Por exemplo, alguns são usados a fim de se evitar a rejeição de um órgão ou um tecido transplantado. Os corticoides, um tipo de imunossupressor, são utilizados para suprimir a inflamação associada a várias doenças, tais como a artrite reumatoide. No entanto, os imunossupressores também inibem a capacidade que o organismo tem de combater as infecções e, possivelmente, de destruir as células cancerígenas. A quimioterapia e a radioterapia também podem suprimir o sistema imunológico, levando, por vezes, a doenças decorrentes de imunodeficiência.

Imunodeficiência em idosos

À medida que envelhecemos, o sistema imunológico torna-se menos eficaz de várias maneiras. Uma delas é a produção diminuída de células T as quais ajudam o corpo a reconhecer e combater células estranhas e anormais. Outro fator é a desnutrição, comum em idosos que, compromete o sistema imunológico. Ela é devida a deficiência calórica e também a deficiência de um ou mais nutrientes essenciais Dois nutrientes, particularmente importantes para a imunidade, cálcio e zinco, podem estar deficientes em idosos. A deficiência de cálcio se torna mais comum em idosos, em parte porque à medida que as pessoas envelhecem, o intestino vai se tornando menos capaz de absorver cálcio. Além disso, os idosos podem não ter cálcio suficiente na sua dieta. A deficiência de zinco também compromete a imunidade.


Marcadores da imunidade – são proteínas que determinam nossa habilidade de resistir a agentes danosos como bactérias, vírus e substancias estranhas.


Como medir a imunidade?

Os testes usados incluem testes de sangue que podem determinar se existem níveis normais de proteínas de defesa (imunoglobulinas)


Sinais e sintomas de uma imunodeficiência primaria

O corpo sinaliza o nível de imunidade com frequência. Um exemplo é uma picada de inseto, o calombo avermelhado e coceira é um sinal de que o sistema funciona. Resfriados ou gripes são sinais típicos que o organismo não conseguiu impedir os germes de invadi-lo. Outros sinais:

  • Pneumonias frequentes e recorrentes

  • Bronquites, amidalites

  • Sinusite

  • Infecções de ouvido

  • Infecções de pele.

  • Inflamação ou infecção de órgãos internos

  • Transtornos no exame de sangue tais como nivel baixo de plaquetas ou anemia

  • Doenças que demoram a passar

  • Olhos frequentemente secos

  • Cansaço excessivo

  • Diarreias de longa duração

  • Manchas vermelhas ou brancas na pele

  • Queda acentuada de cabelo

Testes básicos para avaliar o nivel de imunidade

  • Proteina C-reativa- indica danos nos tecidos por uma variedade de causas

  • Imunoglobulinas (Ig) G and M, indicadores do estado de imunidade humoral

  • IgA como indicador da imunidade da mucosa;

  • Anticorpos antinucleares

  • Proteínas totais - Whole blood measures include the following:

  • Contagem de leucócitos, linfócitos e eosinófilos no sangue

O tratamento de imunodeficiências geralmente envolve a prevenção de infecções, tratar infecções quando elas ocorrem e, quando possível, substituir partes do sistema imune que estiverem faltando. Com o tratamento adequado, muitas pessoas com uma doença decorrente da imunodeficiência têm uma expectativa de vida normal. Contudo, algumas pessoas exigem tratamento intensivo e frequente durante toda a vida. Outras, como aquelas com imunodeficiência combinada grave, morrem durante a infância a menos que recebam transplantes de células-tronco.


As estratégias para prevenir e tratar infecções dependem do tipo de doença decorrente de imunodeficiência. Por exemplo, as pessoas que têm uma doença decorrente da imunodeficiência devido a uma deficiência de anticorpos estão sob risco de contrair infecções bacterianas. Os riscos podem ser reduzidos com o seguinte:

  • Ser tratado periodicamente com imunoglobulina (anticorpos obtidos do sangue de pessoas com um sistema imunológico normal) via intravenosa ou sob a pele

  • Praticar boa higiene pessoal (incluindo um cuidado dental minucioso)

  • Não consumir alimentos malcozidos

  • Não beber água que possa estar contaminada

  • Evitar o contato com pessoas com infecções

Vacinas administradas para estimular o corpo a produzir anticorpos que reconheçam e ataquem bactérias ou vírus específicos são uteis.

Como restabelecer a imunidade?

Em primeiro lugar a manutenção de hábitos saudáveis como alimentação balanceada, controle do estresse, sono de qualidade, bons hábitos de higiene e vacinação em dia, vida ativa e ingestão estratégica de suplementos. Evitar proximidade com pessoas doentes ou locais como hospitais são pontos chaves.

O jejum prolongado força o organismo a utilizar a glicose e a gordura armazenadas, mas ao mesmo temo rompe uma significativa porção de glóbulos brancos. Durante cada ciclo de jejum essa depleção induz a mudanças que funcionam como gatilho para as células troncos regenerarem novas células do sistema de imunidade.


ALIMENTOS QUE ESTIMULAM E REFORÇAM A IMUNIDADE

  • Frutas cítricas

  • Pimenta vermelha

  • Brócolis

  • Alho

  • Gengibre

  • Espinafre

  • Iogurte

  • Amêndoa

COMO TER UMA SUPER IMUNIDADE

  • Dieta rica em antioxidante,

  • Alho com frequência

  • Atividade física diária,

  • Moderação no consumo de bebidas alcoólicas

COMO MANTER FORTE AS DEFESAS DO CORPO APÓS OS 65 ANOS


Existe uma ironia em viver muito - temos mais chances de ver o declínio de nosso corpo. Mesmo o sistema autoimune não é imune ao envelhecimento. O processo é conhecido como imunossenescência, um termo que descreve a tendência que um sistema autoimune mais velho permitir o aparecimento de mais infecções, câncer, diabetes, etc. A imunologia mostra que a inflamação e a infecção têm o maior papel no enfraquecimento da imunidade, mas felizmente é possível lutar contra isso. Podemos proteger e melhorar nosso sistema autoimune, assim como outros sistemas através de uma cuidadosa aplicação de princípios de treinamento. Nada é garantido, mas saber que estamos fazendo tudo para otimizar nossa imunidade, desacelerar a senescência a lutar contra doenças é uma grande coisa


05 AÇÕES:

  1. Não fumar

  2. Controlar ingestão de bebidas alcoólicas

  3. Evitar longas exposições ao sol

  4. Evitar se expor a carcinogênicos químicos (alimentos preparados com a queima de carvão - (churrasco, substancias químicas domesticas, hidrocarbonetos – petróleo, solventes e até plásticos)

  5. Controlar o peso corporal evitando frituras, alimentos processados e comendo mais frutas e vegetais

Manter o sistema imunológico forte é fundamental para uma vida com mais qualidade. GO AHEAD...


Destaques
Arquivo
Acompanhe
  • Grey LinkedIn Icon
  • Cinzento Ícone Google+
  • Grey YouTube Icon

São Paulo - Brasil contato@cph.com.br

  • White LinkedIn Icon
  • White YouTube Icon
  • Branco Ícone Google+