JEJUM FAZ BEM PARA A SAÚDE?


GRUPO SAÚDE CORPORATIVA

Quando pensamos sobre estilo de vida saudável, boa nutrição e vida ativa são os principais fundamentos. Embora isso seja uma verdade inquestionável existem outros pontos a considerar em relação à nossa relação com alimentação e vida saudável. Jejum é uma abstinência voluntária ou redução de alguns alimentos e bebidas, ou ambos, por um período de tempo. Ainda que algumas vezes seja visto como hábito não saudável, que gera privações e feito muitas vezes por razões religiosas, jejum de curta duração pode oferecer excelentes benefícios para a saúde.


Conforme as pesquisas crescem nessa área da saúde, o jejum tem se tornado um procedimento mais aceitável como meio legitimo de gestão do peso corporal e prevenção de doenças. Ao mesmo tempo é importante que seja feito de modo apropriado e saudável. Um estudo realizado pela Universidade da Califórnia demonstrou que um jejum de apenas três dias e capaz de regenerar todo o sistema imunológico


A CIENCIA DO JEJUM


Uma quantidade de evidências valida os benefícios do jeju, apesar de que dados mais expressivos foram estudados em animais. Mesmo assim são dados promissores para os humanos. Essencialmente, o jejum o jejum depura nosso organismo de toxinas estimulando as células, o que normalmente não acontece quando os alimentos estão presentes. No jejum o corpo não tem o usual acesso à glicose, forçando as células a recorrerem a ouros meios e materiais para produzirem energia. Como resultado o corpo instaura a glicogênese que é um processo natural para produzir seu próprio açúcar. O fígado participa convertendo matérias como lactato, aminoácidos e gordura em glicose. Pelo fato do organismo conserva energia durante o jejum, a taxa de metabolismo basal (energia queimada em repouso) torna-se mais eficiente, e dessa forma diminuindo a frequência cardíaca e a pressão arterial.


Cetose, um outro processo que ocorre mais tarde no ciclo do jejum, acontece quando o corpo usa a gordura armazenada como fonte de energia. Esse é um modo de perder peso e equilibrar o nível de açúcar no sangue.

O jejum submete o corpo a um leve stress o qual faz com que as células se adaptem se tornando mais fortes. Esse processo é similar ao que acontece quando submetemos nosso corpo à atividade física. Sistemas cardiovascular e muscular se fortalecem quando o exercício é adequado e existir pausa para repouso e recuperação. Essa é a razão para que o jejum de curto prazo seja recomendado.


Outro ponto importante é quando animais passam por períodos de escassez alimentar, como hibernação, migração, acasalamento, tornam-se resistentes a insulina o que ajuda a preservar a glicose armazenada.

A restrição calórica (diminuição de 30% das calorias que normalmente ingerimos) aumenta a expectativa de vida em 30%. Todos os organismos estudados até agora desde células de leveduras, insetos, ratos e macacos exibem esse estranho fenômeno. Apresentam restrição de tumores, menos doenças cardíacas, menor incidência de diabetes e menos doenças relacionadas à idade. Na realidade a restrição calórica é o único mecanismo conhecido até hoje que aumenta a longevidade, testado repetidamente em todo o reino animal e que sempre dá resultado A teoria que explica isso mostra que a natureza dá ao animal duas escolhas relacionadas ao gasto de energia. Durante tempos de abundancia a energia é usada para reprodução e nos tempos de escassez desligam a reprodução para conservar a energia e tentar superar a escassez. No reino animal o estado de quase inanição é comum e frequentemente fazem a “escolha” de desligar a reprodução, desacelerar o metabolismo, vivendo mais.


O Santo Graal nas pesquisas é de algum modo preservar os benefícios da restrição calórica sem a desvantagem da inanição. A tendência natural do ser humano é aparentemente a de ganhar peso e não a de perder. Na realidade viver sob uma restrição calórica não é agradável e mesmo os animais, nesse cenário, se tornam letárgicos, preguiçosos e perdem o interesse no sexo.


David Sinclair de Harvard descobriu o gene SIR2, envolvido nos efeitos da restrição calórica. Esse gene é responsável por detectar a energia de reserva da célula. Quando a energia está baixa, como em tempos de escassez, esse gene é ativado. Também percebeu que esse gene tem um gene oposto chamado SIRT o qual produz células conhecidas como sirtuina. Pesquisou sobre substancias que ativam a sirtuina e chegou ao resveratrol. Descobriu que os ativadores da sirtuina protegem ratos de uma impressionante quantidade de doenças incluindo câncer de pulmão e cólon, melanoma, linfoma, diabetes II, doença cardiovascular, Alzheimer, etc. Se mesmo uma fração dessas doenças puderem ser tratadas no ser humano via sirtuina, ela revolucionará a medicina.


Tipos de Jejum - Estudos laboratoriais mostram que certos tipos de restrição calórica ou jejum têm demonstrado efeitos positivos na saude e longevidade

  • Limitação da alimentação por certos períodos de tempo Processo de limitação da ingestão calórica por um período alinhado com nosso ciclo circadiano o qual naturalmente diz ao nosso corpo quando dormir, levantar, comer, etc. Comer somente entre 8 a 12 horas diariamente fazendo jejum entre as 10 da manhã e 06 da tarde por exemplo. Nossos sistemas funcionam melhor quando sincronizados entre si. Petiscar a meia noite quando deveríamos normalmente estarmos dormindo prejudica a sincronia de nosso sistema de reparação. Além disso dar ao corpo mais tempo para se regenerar é benéfico para a saúde .

  • Restrição calórica intermitente É a pratica de reduzir a quantidade de calorias consumidas durante o dia. pesquisas mostram que reduzir calorias durante dois dias, onde as calorias são reduzidas pela metade e carboidratos limitados põe o organismo em um tratamento regenerativo curto e intenso.

  • · Jejuns periódicos com dietas simuladas Significa limitar calorias por 3 a 5 dias, instigando as células a gastarem o glicogênio armazenado e criando cetose metabólica. Pode ser feito parando totalmente a alimentação, mas não é a opção mais segura. Uma dieta restritiva – cerca de 1000 cal/dia é suficiente sem depletar nutrientes. Se especula se esse método é superior ao jejum de dois dias, permitindo ao corpo entrar em cetose e fazendo uma verdadeira limpeza de toxinas


BENEFICIOS DO JEJUM PARA A SAUDE - Apesar do jejum ser desafiador e algumas vezes desconfortável traz benefícios físicos e mentais:

  • · Estimula a performance cognitiva

  • · Protege contra o excesso de peso e as doenças crônicas associadas

  • · Reduz inflamação

  • · Reforça a imunidade

  • · Melhoras as condições orgânicas - acelera o metabolismo

  • · Reduz o riso de doenças metabólicas

  • · Melhora os hábitos alimentares

  • · Beneficia pacientes com câncer sob quimioterapia por estimulo à imunidade


Quem não faz a tentativa não alcança benefícios. GO AHEAD

Destaques
Arquivo
Acompanhe
  • Grey LinkedIn Icon
  • Cinzento Ícone Google+
  • Grey YouTube Icon

São Paulo - Brasil contato@cph.com.br

  • White LinkedIn Icon
  • White YouTube Icon
  • Branco Ícone Google+