Promoção da Saúde Corporativa - Cap 10 - ALEMANHA

Essa série semanal é baseada no livro GLOBAL PERSPECTIVES IN WORKPLACE HEALTH PROMOTION (Karch & Kirsten – Jones & Bartlett NY), no qual participei como co-autor, oferece um relato global do status da promoção de saúde em organizações de 21 países contribuindo para uma força de trabalho mais saudável, aumento da produtividade e redução dos custos de assistência médica.

RICARDO DE MARCHI, MD


GRUPO SAÚDE CORPORATIVA

CAPÍTULO 10 - ALEMANHA


Autores:

· Kerstin Baumgarten PhD – Dep. Health Sciences –Univ. of Applied Sciences – Stendal

· Gerhard Huber PhD – Institut fur Sportwissenschaft – University of Heidelberg

· Grupos étnicos : germânicos 91.5%, turcos 2.44%, gregos, ialianos, poloneses,etc

· Religião: protestante 34%, catolica 34%, Muçulmana 3.7%,, etc

· Língua aoficial: Alemão

· Governo: República Federativa

· População: 83 milhões

· Idade media: 46 anos

· Expectativa de vida: 80,9 anos

· Renda anual percapita: US$ 46.500


INTRODUÇÃO


País localizado na Europa Central é o mais populoso da União Europeia e o lar da terceira maior população de imigrantes internacionais em todo o mundo. É uma república parlamentar federativa e consiste de 15 estados (Lãnder) e quarta economia do mundo. Tem um alto padrão de vida e um forte sistema de segurança social.


Reconhecido também como líder cientifico e tecnológico em vários domínios. Pais de alta densidade demográfica (duas vezes a média europeia) e um crescimento continuo da população de idosos causado pela combinação do declínio da taxa de nascimento e pelo aumento da expectativa de vida.


Novas leis (Junho 2015) serviram para promover a prevenção e a promoção da saúde o que é único no sentido de criar uma ampla coalizão dos atores nacionais no campo da prevenção. Visa não somente criar benefícios econômicos em longo prazo, mas também trazer benefícios concretos a uma grande quantidade de indivíduos. Essa lei (Praeventionsgesetz) permite que as pessoas sejam reembolsadas através de seu seguro por despesas com atividade física preventiva em academias com o propósito de aumentar a resistência orgânica. Também pessoas que sofrem de condições como dores costais, diabetes, hipertensão são beneficiados desde que haja uma recomendação médica. Essa lei é ainda mais abrangente pois alcança indivíduos de todas as idades, crianças, escolas, local de trabalho, em quase todo o país.


Outro foco é a vacinação que como não é obrigatória faz com que todos os pais devam fornecer provas que discutiram o tema imunização com o médico e mais do que isso, as autoridades têm o poder de temporariamente excluir crianças não vacinadas de escola e locais públicos durante surtos de sarampo e instituições de saúde podem requerer cartões de vacinação de seus empregados.


Pequenas e médias empresas também são pontos de atenção e recebem suporte para ofertarem programas de promoção de saúde durante o trabalho. Isso pode envolver cantina com alimentos saudáveis, gestão do stress, educação para a liderança, etc. Crianças e jovens têm oportunidades de experiências na natureza, engajar-se em atividades físicas e aprender a fazer escolhas saudáveis. Essa lei assegura acesso aos fundamentos da prevenção e promoção da saúde pública para os cidadãos e estende a possibilidade aos segurados de ganharem bonificações quando fazem checkup regulares ou participam de cursos preventivos.


É um movimento positivo para ligar os investimentos em prevenção com economias em longo prazo do sistema de assistência médica. Um ponto importante é o papel dos médicos em atuar na prevenção que tem ligação com a salutogênese (foca em fatores que sustentam a saúde e o bem-estar e não em fatores que causam a doença (patogênese) através da pergunta “ como uma pessoa pode ser ajudada a caminhar em direção a uma melhor saúde? ”. Este conhecimento e postura representam somente uma dimensão do escopo da saúde pois engloba não somente a saúde física, mas também a saúde mental e emocional. Apesar da salutogênese ter sido promovida e praticada por um grupo de profissionais de saúde e não somente por médicos, o papel desses atores infelizmente ainda não é tão evidente.


QUESTÕES PREDOMINANTES


No contexto dos fatores de risco ligados à saúde tem particular importância as doenças crônicas e o absenteísmo. Como em todos os países industrializados, fatores de risco como tabagismo, obesidade, inatividade física, diabetes, ingestão de gordura e hipertensão têm pesado impacto na saúde e são causados principalmente por escolhas e comportamentos individuais.

  • Tabagismo - uma em cada 4 pessoas fumam e apesar da diminuição de adultos fumantes, o tabagismo tem crescido entre os jovens

  • Diabetes - mais de 5 milhões de pessoas acometidas devido ao estilo de vida

  • Consumo de álcool - tem declinado lentamente

  • Sobrepeso e obesidade - mais da metade dos adultos tem sobrepeso e mais de 10 % são obesos

  • Inatividade física - menos de 15% da população alcança os índices de atividade física recomendados

  • Perfil de doenças e as principais causas de morte - o perfil é dominado pelas doenças cardiovasculares e câncer

  • Questões relacionadas ao trabalho - foco no absenteísmo e as causas mais frequentes são:

o Problemas músculo esqueléticos

o Doenças respiratórias

o Acidentes


SISTEMA DE ASSISTÊNCIA MÉDICA


Alemanha tem o mais antigo sistema de saúde universal, que remonta à legislação social de Bismarck em 1883.

Hospital de Lübeck, uma das mais antigas instituições médicas do mundo

Atualmente, a população alemã é coberta por um plano de saúde bastante abrangente fornecido por lei. Certos grupos de pessoas (pessoas autônomas, trabalhadores com renda alta, etc) podem optar por sair do plano e mudar para um contrato de seguro privado. Anteriormente, esses grupos também podiam optar por ficar sem seguro, mas esta opção foi excluída em 2009.


De acordo com a OMS do total do orçamento do sistema de saúde alemão em 2005, 77% foi financiado pelo governo e 23% pelo setor privado. Em 2005, a Alemanha gastou 11% do seu PIB na área da saúde. O país é classificado no 20º lugar no mundo em expectativa de vida e tem uma taxa de mortalidade infantil muito baixa. A Alemanha tem o sistema de assistência médica mais sem restrições e de orientação ao consumidor de toda a Europa e mantem uma reserva financeira de quase 20 bilhões de euros disponível ao sistema.


Desde 1976 o governo reúne anualmente uma comissão composta por representantes de empresas, médicos, hospitais seguradoras e indústria farmacêutica que levam em conta políticas governamentais e fazem recomendações a associações regionais com respeito aos alvos dos gastos que são ligados à idade da população e a taxa de desemprego. Embora o reembolso dos provedores seja por serviço prestado a quantidade do reembolso é determinada retrospectivamente para assegurar que os limites de gastos não sejam excedidos.


O co-pagamento foi introduzido em 1980 na tentativa de prevenir super utilização e controlar custos. Em 2009 o sistema foi descentralizado com serviços privados em ambulatórios, a maioria em hospitais que não visam lucros. Aproximadamente 94% da população é coberta pela “Statutory Health Insurance”, financiado por uma combinação de contribuição dos empregados, empresas e subsídios governamentais numa escala baseada no nível de receita.


Desde 2009 o seguro saúde é compulsório para toda a população e os assalariados que ganham menos de 64 mil euros/ ano ou 5.400 euros /mês são automaticamente inscritos em algum dos vários fundos (non-profit sickness fund – Krankenkassen) que têm taxas comuns e são pagos por contribuições de empresas e empregados. Além do mais alguns residentes podem escolher seguros privados (rendas acima de 64 mil euros/ano) ou estudantes). Aproximadamente 11% da população tem seguro privado. Recentemente as seguradoras privadas começaram a fornecer coberturas suplementares.


Promoção da saúde na prática médica - O objetivo é engajar e capacitar indivíduos e comunidades a escolherem comportamentos saudáveis e fazerem mudanças que reduzam os riscos de desenvolver doenças crônicas e outras morbidades. Definida pela OMS como uma ação capaz de permitir que as pessoas tenham mais controle de sua própria saúde. Fatores políticos, econômicos, sociais, culturais, ambientais, comportamentais e biológicos podem influir na saúde e a promoção visa tornar esses fatores mais favoráveis através de argumentações consistentes que permitam atingir a igualdade na saúde.


Pessoas com mais de 34 anos são inscritas para um checkup médico a cada 2 anos enfatizando diabetes, problemas circulatórios e renais e apesar disso a taxa de participação em serviços preventivos é baixa na população de menor renda. Uma razão da fraca orientação da medicina para a prevenção pode ser o forte comprometimento médico com os aspectos individuais da medicina ao contrário de seus colegas ingleses, suecos ou dinamarqueses.


Procedimentos preventivos com validação cientifica mostram resultados somente numa escala populacional e requerem em contraste com o diagnóstico e tratamento, um alinhamento do médico com os objetivos da saúde pública. Politicamente a promoção da saúde é uma questão importante discutida no sistema de saúde existindo uma forte tendência nessa direção. No último congresso médico nacional uma resolução foi aprovada. “A política de saúde deve fornecer pré-requisitos essenciais para a promoção da saúde” como:

  • Estruturar condições para se promover a saúde

  • Apoio a atividades de promoção de saúde comunitárias

  • Reorientação dos serviços de assistência médica em direção à promoção da saúde

A associação médica alemã desenvolveu um currículo para a promoção de saúde no qual o aconselhamento individual é a principal atividade fornecida pelos médicos. Isso em consequência da prática ser por serviços individuais enquanto que o engajamento médico em nível comunitário deixa a desejar. As 5 abordagens à promoção da saúde são:

  1. Médica

  2. Comportamental

  3. Educacional

  4. Centrada no cliente

  5. Mudança comunitária

INFLUÊNCIA DA CULTURA E MENTALIDADE


Questões como conscientização em saúde, padrões alimentares e atividade física devem ser levadas em conta no contexto da cultura e mentalidade alemã.


Consciência em saúde – uma pesquisa mostrou que os alemães estão satisfeitos com seu nível de saúde e mais de 80% reportam ter boa saúde. A conscientização sobre as questões de saúde tem crescido e a manutenção da mesma é assunto relevante. Uma outra pesquisa mostrou que 70% da população tem a saúde como questão mais importante que amor, parcerias e amizades. Alemães além do seguro saúde gastam em média mil euros por ano em medicina alternativa, pratica de esportes e suplementos nutricionais .


Padrões alimentares – a ingestão calórica é semelhante a seus vizinhos europeus mas comem menos frutas e legumes, mais carne vermelha e menos peixe. Produtos orgânicos são populares e a principal refeição é o almoço.


Infraestrutura para atividade física - bem desenvolvida e variada sendo clubes uma das principais características desse setor. O sistema de transporte público ajuda os indivíduos a se manterem ativos pois quem usa anda mais que quem usa carro. Uma boa estrutura para o uso de bicicletas existe e é apoiada pelas seguradoras que estimulam o aumento da atividade física diária.


Desafios – os fatos acima demostram que as condições culturais, valores relacionados à saúde, hábitos alimentares e atividade física são pilares para as estratégias de saúde no trabalho e os empregados enxergam saúde como uma questão pessoal fora da esfera da empresa. Com isso o ceticismo acontece quando o setor de saúde ocupacional das empresas pede dados pessoais sobre estilo de vida mesmo se forem coletados de modo anônimo.


IMPULSIONADORES DA PROMOÇÃO DE SAÚDE NO TRABALHO


As seguradoras são as principais provedoras e financiadoras da promoção de saúde no trabalho. Têm aumentado as intervenções nesse campo nos últimos anos e seguem as normas de qualidade de gestão. A AOK, uma das maiores seguradoras na Baixa Saxônia tem um projeto de bonificação de considerável sucesso. Michael Drupp gerente desse projeto esteve aqui no Brasil apresentando esse projeto, mas infelizmente nossa cultura ainda está distante dessa implementação.


CONCLUSÃO


À luz do que foi dito os fatores de risco relacionados ao estilo de vida elevam os custos médicos na Alemanha e as intervenções de promoção de saúde no trabalho são fundamentais para melhorar a saúde da população. Baseadas na lei de seguros gerais (artigo 20) as seguradoras são as principais instituições para o desenvolvimento da promoção da saúde. Apesar disso ainda faltam programas mais customizados e sistematizados além de que pequenas e médias empresas são as que mais precisam pois é onde a maioria da população está empregada.


GO AHEAD


Destaques