Promoção da Saúde Corporativa - Cap 19 - NORUEGA

Essa série semanal é baseada no livro GLOBAL PERSPECTIVES IN WORKPLACE HEALTH PROMOTION (Karch & Kirsten – Jones & Bartlett NY), no qual participei como co-autor, oferece um relato global do status da promoção de saúde em organizações de 21 países contribuindo para uma força de trabalho mais saudável, aumento da produtividade e redução dos custos de assistência médica.

RICARDO DE MARCHI, MD


GRUPO SAÚDE CORPORATIVA

CAPÍTULO 19 - NORUEGA


Autor:

· Dieter Lagerstrom Ph.D. – Department of Public Health University of Agder - Norway

  • Grupos étnicos – noruegueses 94,4% incluindo Sami

  • Língua oficial - bokmal 95% baseado na grafia norueguesa, e nynorsk baseado nos dialetos tradicionais.

  • Governo – monarquia constitucional

  • População – 5.4 milhões

  • Religião – igreja da Noruega 85.7%, pentecostal 1%, católica 1%, etc

  • Idade média – 39 anos

  • Expectativa de vida – 82,76 anos

  • Renda anual percapita - US$ 75.420,00


INTRODUÇÃO


Localizada no norte da Europa e apesar do clima gelado de sua alta latitude (71 graus), quase toda sua costa permanece habitada e cultivada até o cabo Norte, devido as aguas quentes da corrente do Golfo que se origina no golfo do México. Apesar de 1/3 da população viver na grande Oslo, o governo promove políticas de assentamento e descentralização industrial.


Até o século XX era um país pobre, com ênfase na agricultura e pesca. A descoberta de grandes depósitos de óleo e o desenvolvimento de tecnologias para extração em mar aberto provocaram um milagre econômico em 1960 com um superávit anual de bilhões de coroas (um dólar compra 8.2 coroas).


A Noruega é ranqueada entre os países mais ricos e com as indústrias mais modernas do mundo, sendo reconhecida pela alta qualidade de vida de sua população pelo Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas. Pelo boom econômico e resultados de desenvolvimento social, existe a necessidade de profissionais altamente qualificados em diferentes áreas como medicina e engenharia, assim como em serviços. Esta situação associada ao desenvolvimento e políticas sociais tem aumentado a imigração e com isso provocado mudanças nas estruturas da sociedade.


A política norueguesa é caracterizada por uma atitude fortemente humanística, com alta sensibilidade pela natureza e meio ambiente, e essa afinidade com a natureza é fator diferencial no estilo de vida dos noruegueses. A Noruega foi o primeiro país no mundo a criar um departamento de meio ambiente que concede a todos a liberdade de vagar pela natureza e usar seus recursos (com limitações) para uso pessoal. A lei estabeleceu a premissa de estar e viver com e na natureza (Friluftsliv), parte inerente da educação e tema de estudo nas Universidades. Essa identificação com a natureza não tem somente efeito no estilo de vida da população, mas leva a uma incrível simbiose entre ecologia e economia.


A fim de determinar os efeitos de programas de promoção de saúde na Noruega, as avaliações incluem benefícios econômicos e os fatores básicos de saúde, como felicidade, contentamento e equilíbrio ecológico. Se ainda não existem reações pela super exploração dos recursos naturais e poluição ambiental altamente presentes para aproveitamento a curto prazo, estes fatores terão uma dramática influência na qualidade do ar, água e luminosidade, e com isso, os requisitos básicos para a boa saúde serão afetados e toda a tradição relacionada poderá se perder, a menos que a promoção de saúde seja fortalecida. Desde que saúde deriva da recíproca interação entre indivíduos, ambiente e os elementos naturais, deverá ser necessária uma abordagem mais holística no processo de promoção de saúde.


QUESTÕES PREDOMINANTES


Atualmente o desenvolvimento social e da qualidade de vida levaram a Noruega ao topo do ranking da expectativa e satisfação com a vida. Entretanto, novas condições sociais e estilo de vida moderno contribuíram para o aparecimento de doenças ligadas à civilização. Doenças respiratórias, cardiovasculares, problemas metabólicos, câncer, problemas osteomusculares e psiquiátricos representam as principais causas de morte, enquanto que a inatividade física, dieta inadequada e stress causam os grandes problemas de saúde. A prevalência desses problemas ainda é baixa quando comparada à média da Europa.


Cerca de 8% da falta ao trabalho é devida a doenças e este número tem aumentado. O governo junto com as empresas, sindicatos e organizações não governamentais tem tentado contrariar essa tendência através de várias iniciativas, como restaurantes corporativos mais saudáveis, equilíbrio entre vida pessoal e profissional, oferta de frutas e hidratação no trabalho, tempo para relaxamento, etc.


O maior desafio no futuro é a contenção de doenças crônicas, e as leis e regulações existentes parecem ser suficientes para atingir esse objetivo. Tabagismo já é totalmente proibido no trabalho e a obesidade recebe forte atenção pela saúde pública.


SISTEMA DE ASSISTÊNCIA MÉDICA


Na Noruega o sistema social e de assistência médica é de responsabilidade do governo central. Todos os cidadãos têm seguro, independentemente da idade, nível social ou ocupação. O tratamento médico é fornecido por profissionais de saúde primária e quando necessário são enviados a serviços especializados. O número de seguradoras privadas, ambulatórios e hospitais para o mercado de trabalho tem aumentado e o Department of Employment controla esse setor, cuidando de aproximadamente 250 mil empresas. O custo exato das despesas estatais com o sistema de assistência médica não é facilmente determinado pelo fato de que o orçamento é distribuído para diversas áreas. Estima-se que seja por volta de 40 bilhões de euros (10.4 % do PIB). O gasto em saúde per capita é da ordem de 8.640 dólares, um dos maiores do mundo.


Todos os hospitais públicos são operados pelas autoridades de saúde regionais (RHA) supervisionadas pelo ministério da saúde e apesar do sistema ser universal existem certos pagamentos estipulados. Para a consulta o paciente deve pagar uma taxa mínima de 15 euros. O limite anual é de 180 euros. Crianças até 16 anos, enfermeiras e aposentados tem assistência médica gratuita relacionada a coberturas de situações previamente existentes; todos os outros cidadãos têm uma dedução anual por volta de US$ 250,00 e tudo que passar desse valor é gratuito durante o resto do ano. As deduções cobrem gravidez, cuidados psiquiátricos, exames laboratoriais, equipamentos e medicamentos que necessitam a receita azul e também fisioterapia, assistência odontológica, etc. Hospitalização e tudo relacionado a internações é totalmente gratuito a todos os cidadãos independentemente de sua receita. Em admissões emergenciais todos os custos imediatos são cobertos e caso o hospital não tenha o tratamento adequado, o tratamento no exterior é arranjado e sem custo. Pacientes com altas despesas devido a doenças permanentes recebem uma dedução de seus impostos.


A Noruega tem uma das mais baixas despesas com assistência médica privada no mundo que em 2017 representou 15% do total de gastos com a saúde. Em 2018 o governo aumentou o orçamento de saúde em 2% (comparado com o ano anterior) com o objetivo de encurtar as filas de e melhorar o serviço. O financiamento para assistência hospitalar é alocado pelas autoridades regionais, responsáveis para distribuir o orçamento entre os serviços médicos locais.


Depois da segunda guerra mundial o governo decidiu tornar a assistência médica nacional um dos focos principais para atingir o bem-estar da população. O estado é o responsável para prover os necessários serviços médicos com qualidade. Essa responsabilidade é dividida entre 3 níveis – governo federal, condados e conselhos municipais. O governo se responsabiliza pelo desenvolvimento de leis, políticas e operações. Em 2017 todo cidadão ganhou o direito de ter um médico permanente na área em que vive. O conselho municipal em cada condado é responsável sobre esse direito e são eles que fecham acordos com os médicos.


Medicamentos – Noruega não produz o volume suficiente de medicamentos consumidos domesticamente, importando a maioria usada pelo sistema médico. Isso resultou no pagamento do preço pleno pelos usuários; um seguro gerenciado pela administração de economia em saúde (HELFO) dá a cobertura a essas despesas.


Objetivos para 2030 (agenda de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas)

O governo identificou numerosos desafios domésticos que devem ser acompanhados baseados nas dimensões sociais, econômicas e ambientais. Esses desafios têm relação com o consumo e produção sustentável de saúde, educação em saúde, equidade, empregabilidade e migração. Os principais desafios identificados são:

  • Redução de doenças não comunicáveis e promoção da saúde mental

  • Aumento da taxa de conclusão da escolaridade

  • Eliminação da violência contra a mulher

  • Redução na proporção de jovens sem emprego, educação e treinamento

  • Manutenção de infraestrutura sustentável

  • Crescimento da renda de 40% da população com menores salários

  • Melhoria da qualidade do ar nas cidades

  • Redução em 50% do desperdício de alimentos e geração de lixo

  • Redução do impacto de espécies invasivas na natureza

  • Combate ao crime organizado

Promoção da Saúde


O Centro de Pesquisas em Promoção da saúde (NTNU) tem o objetivo de desenvolver conhecimentos que contribuam para um melhor foco na promoção de saúde no trabalho. Ele estuda o que promove, mantém e restaura a boa saúde em populações saudáveis, vulneráveis e doentes.

O Instituto Norueguês de Saúde Pública monitora a saúde da população e trabalha para melhorar a saúde em geral com foco na promoção e na prevenção com atenção aos determinantes somáticos, psiquiátricos e sociais que influenciam a saúde. Também fornece informações e aconselhamento envolvendo controle de doenças infecciosas, medicina ambiental e epidemiologia.


INFLUÊNCIA DA CULTURA E MENTALIDADE


A geografia, clima, baixa densidade demográfica e proximidade com a natureza influenciam a mentalidade e a atitude dos noruegueses no modo de viver. Essas influencias moldaram a identidade após a independência da Dinamarca em 1814 principalmente o relacionamento com a natureza, sendo intensificado pelos humanistas, cientistas e aventureiros como Amundsen na conquista dos mares. O contato com a natureza ainda é predominante na vida moderna e ainda mais importante que a abençoada descoberta de petróleo. O grande número de casa de campo, de trilhas de esqui de fundo e incontáveis atividades de lazer na natureza em todos os municípios evidencia o forte laço com a natureza. O fato de que muitas empresas oferecem atividades recreacionais e locais para férias de verão nas montanhas ou litoral mostra o papel importante desse contexto na promoção da saúde.


A influência dos valores, atitudes e padrões de comportamento além do humanismo são pontos importantes nas características do ambiente de trabalho. Isso não só reflete na sociabilidade do norueguês no trabalho como no espirito comunitário e desejo de ajudar os outros. Somente o futuro pode revelar se essas atitudes e a boa estrutura socioeconômica serão capazes de parar a ambição da crescente riqueza material, contrariando a preguiça e a vida sedentária.


IMPULSIONADORES DA PROMOÇÃO DE SAÚDE NO TRABALHO


A estrutura sociocultural, leis e condições de trabalho garantem bons fundamentos para a promoção da saúde no trabalho. Não só consideram proteção e segurança, ergonomia parâmetros de espaço e tempo de trabalho e recreação, mas também do ponto de vista humanístico consideram os aspectos das necessidades individuais, sociais e ambientais que constituem elementos centrais.


Pelas características acima existe uma forte influência no ambiente de trabalho e a Landsorganisasjonen i Norge, a maior organização de trabalhadores exerce um papel relevante para que essas condições aconteçam. Apesar dos altos padrões de regulamentação, existe uma ameaça pelos crescentes problemas de saúde como tabagismo, stress e obesidade causadas pelo estilo de vida. Isso influencia os serviços sociais e o absenteísmo.


Ao lado dos esforços do governo existem inúmeras organizações que atuam para diminuir os problemas de saúde relacionados no ambiente de trabalho focando em nutrição, stress, qualidade do sono, etc. As companhias de seguro também dão uma grande contribuição para as empresas nesses programas. Nos últimos anos mais provedores privados e companhias internacionais também se envolveram com a promoção da saúde e o segmento continua em crescente desenvolvimento.


CONCLUSÃO


Apesar dos parâmetros socioeconômicos e ambientes de trabalho serem fora de série podem ser percebidas algumas consequências negativas de uma sociedade próspera. Doenças crônicas já são as causas de morte mais importantes e os problemas osteomusculares as maiores causas de afastamento. Neste contexto as intervenções em promoção de saúde enfatizam os aspectos comportamentais principalmente estimulando a atividade física (campanhas e atividades recreacionais ao ar livre).


Os desafios podem ser vistos no contexto comportamental mais do que no contexto do relacionamento social entre os empregados. Somente a adoção da auto responsabilidade na gestão pessoal da saúde poderá levar à efeitos duradouros e eliminar os problemas no ambiente de trabalho.


GO AHEAD


Destaques