Série Promoção da Saúde Corporativa - Cap 5 - SINGAPURA

Essa série semanal baseada no livro GLOBAL PERSPECTIVES IN WORKPLACE HEALTH PROMOTION (Karch & Kirsten – Jones & Bartlett NY), no qual participei como co-autor, oferece um relato global do status da promoção de saúde corporativa em 21 paises contribuindo para a saúde da força de trabalho, para a produtividade e para a desaceleração dos custos médicos, servindo como conhecimento e inspiração para o caminho profissional.

RICARDO DE MARCHI, MD


GRUPO SAÚDE CORPORATIVA

CAPÍTULO 5 - SINGAPURA


Autores:

· Neo Seow Ping BSc – Health Promotion Board Singapore

· Lek YIN Yin - Health Promotion Board Singapore

· Alan Pui Wee Ming - Health Promotion Board Singapore

· Low Soo Leng - Health Promotion Board Singapore

· Annie Ling - Health Promotion Board Singapore

· Chew Ling - Health Promotion Board Singapore

· Grupos étnicos: chineses 77%, malaios 13,9%, indianos 8%, outros

· Religião: budismo 42,5%, islamismo 14,9%, taoismo 8,5%, hindu 4%, cristã 15%

· Língua oficial: mandarim 35%, inglês 23%, malaio 14.1%, Hokkien 11.5%, outras

· Governo: república parlamentar

· População: 5.720 milhões

· Idade média: 30 anos

· Expectativa de vida: 83,2 anos

· Renda anual percapita: US$ 66.000,00

INTRODUÇÃO


Singapura, um dos menores países do mundo, é uma ilha densamente povoada localizada no sudeste da Ásia. Pela falta de recursos naturais, Singapura tem que contar em larga escala com seu capital humano para seguir em frente como economia de primeiro mundo e por isso o governo investe pesadamente no desenvolvimento do capital humano. A taxa de alfabetização é alta e o governo encoraja a participação das mulheres no trabalho. Com isso, a taxa de nascimento caiu muito e aumentou a expectativa de vida, causando rápidas mudanças sociais.


Pela certeza na importância do capital humano, a emergência de doenças relacionadas ao estilo de vida e o envelhecimento da população faz com que o governo reconheça a necessidade de investir na boa saúde da população e assim ações em promoção de saúde que encorajem comportamentos saudáveis tais como não fumar, atividade física regular, boas práticas nutricionais, gestão do stress e avaliações regulares para doenças crônicas estão entre as prioridades do Ministério da Saúde na construção de um sistema de assistência médica com alto grau de excelência.


Como a economia do país depende fortemente de sua força de trabalho é vital para a produtividade e performance uma população saudável, assegurando e mantendo a competitividade que o país tem no mercado global. Com essa atitude em mente a promoção da saúde no trabalho se tornou um importante item no cenário da saúde em Singapura.

QUESTÕES PREDOMINANTES


O nível de saúde é considerado bom pelos padrões internacionais com a alta expectativa de vida ao nascer. Isso pode ser atribuído ao alto padrão de vida, saneamento básico, qualidade de habitação, abastecimento de água de boa qualidade, alto nível educacional, qualidade dos serviços médicos e uma ativa promoção da saúde.


Entretanto, como a maioria dos países desenvolvidos, Singapura enfrenta o desafio crescente de doenças relacionadas ao estilo de vida. Câncer, doenças cardíacas, derrame e diabetes são as principais causas de morbidade e mortalidade. Pulmão, cólon, e mama são os principais órgãos acometidos pelo câncer e a diabetes tem uma das mais altas prevalências no mundo, onde adultos jovens contribuem com mais de 35%.


Essas doenças relacionadas ao estilo de vida contribuem com cerca de 60% das mortes e apresentam fatores de risco semelhantes (alimentação inadequada, sedentarismo, obesidade, tabagismo, hipertensão arterial, hipercolesterolemia, etc) que podem ser modificados através do estilo de vida saudável.


Para definir a prevalência e a distribuição desses fatores, a cada seis anos o governo conduz uma avaliação nacional (National Health Survey - NHS) que envolve entrevistas e screenings biométricos.


SISTEMA DE ASSISTÊNCIA MÉDICA


A filosofia da assistência médica de Singapura começa com a construção de uma população saudável através de programas preventivos e a promoção de estilo de vida saudável. O sistema assegura que os serviços básicos tenham preços acessíveis para toda a população, embora exista disposição de alguns indivíduos em pagar por serviços de nível mais alto. Essa filosofia promove a responsabilidade individual com a vida saudável e despesas com medicamentos.


Em termos de financiamento da assistência médica, Singapura tem um diferenciado sistema híbrido que combina subsídios do governo (através dos impostos) com as 3M:

  1. Medisave – esquema nacional de poupança compulsório

  2. Medishield – seguro médico para catástrofes em saúde, criado pelo governo para proteger os individuos contra contas hospitalares altas

  3. Medifund – um sistema de doações para ajudar os mais pobres a pagarem pelas suas despesas médicas

A clara segurança fornecida pelos subsídios do governo e pelo Medifund assegura que nenhum singapuriano tenho o acesso negado pela incapacidade de pagamento. Ao mesmo tempo, para manter a disciplina na escolha dos serviços de saúde e estimular a auto responsabilidade, pacientes capazes de pagar têm que co-financiar seus custos através do Medisave, Medishield ou pagando do próprio bolso pelo serviço.


Esse sistema assegura uma assistência médica com bons resultados além de que esses resultados têm sido alcançados com um consistente mas baixo gasto nacional (abaixo de 4% do PIB) apesar de ser esperado um aumento devido ao envelhecimento da população.


Quanto à promoção de saúde existe um Health Promotion Board (parte do Ministério da saúde) que é uma organização comprometida em promover a vida saudável em Singapura. É uma fonte de informações baseada em evidências com autoridade e credibilidade que procura capacitar a população com conhecimentos para que sejam responsáveis e capazes de gerenciar a própria saúde e viverem de forma saudável.


INFLUÊNCIA DA CULTURA E MENTALIDADE


A sociedade de Singapura é multiétnica e multicultural, compreendendo 74,5% de chineses. 13,5% de malaios, 09% de indianos e 03% de outras origens étnicas. Falam diferentes línguas apesar de existirem quatro línguas oficiais - malaio, chinês, tâmil (antiga língua do subcontinente indiano) e inglês. A maioria das pessoas falam no mínimo duas línguas.


Além dessa miríade de línguas, existe um conjunto de festivais culturais e religiosos celebrados durante o ano. A forte harmonia racial no pais é notada pela participação de vários grupos étnicos em tais celebrações. Com tal mix de grupos étnicos e culturais é inevitável que essas diferenças repercutam através de diferentes comportamentos de risco a assim sendo, certos grupos são mais predispostos a certas doenças crônicas.


Com isso, a prática da promoção da saúde no trabalho deve considerar a influência da cultura nas necessidades de saúde dos grupos étnicos e ajustar adequadamente as intervenções.


IMPULSIONADORES DA PROMOÇÃO DE SAÚDE NO TRABALHO


Aproximadamente 65% da população acima de 15 anos participa do mercado de trabalho. Pelo fato da maioria despender um longo período no trabalho, o local de trabalho é um excelente ambiente para promover a saúde física, social e mental, detecção precoce de doenças crônicas e oportunas intervenções de acompanhamento.


A necessidade de se promover a saúde em Singapura tem se tornado ainda mais urgente devido ao envelhecimento da população, o que potencialmente pode aumentar o peso de doenças crônicas. Se elas não são detectadas e gerenciadas precocemente, haverá impacto negativo nacionalmente na produtividade e em gastos médicos. Para que o sistema seja sustentável, com relativamente baixos investimentos, é imperativo que medidas de promoção de saúde continuem a serem tomadas, particularmente no ambiente de trabalho, para que o nível de saúde permaneça alto tanto quanto possível.


O programa nacional de promoção de saúde no trabalho (WHPP) é o alicerce do comprometimento do governo na construção de uma força de trabalho saudável. O governo é a principal força motriz e as empresas são encorajadas a promover a saúde através de treinamento, educação, concessões, subsídios e outros incentivos.


Atualmente o Health Promotion Board é a agência responsável pela construção de um país saudável, cuidando da saúde nas diferentes fases do ciclo de vida (infância, adolescência, idade adulta e senescência) por meio de uma variedade de programas de avaliação da saúde e gestão de doenças crônicas que atende as necessidades em diferentes estágios da saúde (os saudáveis, os com risco, os não saudáveis), diferentes níveis sociais e diferentes ambientes de trabalho.


Esse movimento começou há anos e em 2000 um comitê tripartite formado pela federação de empresas, sindicatos e governo revisaram as evidências internacionais e publicaram um relatório com recomendações fornecendo uma estrutura e fundamentos estratégicos para acelerar a promoção de saúde nacional. Foi feita uma abordagem integrada, abrangente e ecológica levando em consideração o ambiente de trabalho, políticas organizacionais e intervenções para mudanças no estilo de vida.


As estratégias chaves incluíram a construção de colaboração sustentável com parceiros chaves e partes interessadas, alinhamento e integração a nível nacional, estabelecimento de ambiente de suporte e políticas através de um esquema nacional de reconhecimento e capacitação de ambos - empregadores e empregados através de um ecossistema abrangente de apoio.


O WHPP lançou em 2010 um relatório com recomendações envolvendo a visão e experiência de líderes de setores privados e públicos (report-2010-by-national-tripartite-commitee-on-workplace-health). Recomendações práticas e direcionadas servem de guia para o WHPP e sustentam a jornada em direção a um ambiente de trabalho saudável e construção de um país saudável, produtivo e vibrante.


CONCLUSÃO


O Programa Nacional de Promoção de Saúde (WHPP) em certa medida conseguiu sucesso evidenciado pelo aumento da prevalência da saúde no ambiente de trabalho e melhora do nível de saúde entre os empregados. Considerando o desafio do envelhecimento da força de trabalho e o aumento da incidência de doenças crônicas será necessário um esforço de alguns anos, com colaboração intersetorial, forte comprometimento da liderança e uma força de trabalho receptiva.

Três objetivos chaves orientam o programa:

  1. Integração e alinhamento adicional da promoção de saúde no trabalho com outras iniciativas nacionais relevantes

  2. Aumento da compreensão entre empregadores e setores da indústria

  3. Aumento da participação na promoção da saúde pelos empregados com foco na criação de um maior senso de propriedade entre os empregados.

Para mudar a atual forma de pensar “esperando pela doença” para uma nova forma que capacite os indivíduos na gestão pessoal da saúde e as empresas apreciem e valorizem os benefícios advindos de uma força de trabalho saudável será necessário mais conhecimento, experiências práticas e recomendações que incentivem uma estrutura saudável a qual deverá engajar corporações e indivíduos numa vida com saúde e bem-estar.


GO AHEAD


Destaques
Arquivo
Acompanhe
  • Grey LinkedIn Icon
  • Cinzento Ícone Google+
  • Grey YouTube Icon