VITAMINA D PROTEGE CONTRA A COVID 19?


A vitamina D faz furor nos tempos atuais. Artigos sobre as vantagens da suplementação são frequentes e seu consumo é crescente. Sabe-se atualmente que uma deficiência dessa vitamina pode se traduzir em diferentes problemas de saúde tais como doenças cardiovasculares, baixa imunidade, câncer, artrose, alterações de humor, infecções respiratórias, etc. A quantidade de informações pode nos deixar perdidos. Ela realmente nos protege de viroses? O que dizem as pesquisas? Quais provas médicas concretas existem?


CARÊNCIA DE VITAMINA D – QUAL O PERIGO?


A coloração da pele influencia consideravelmente a quantidade de vitamina D sintetizada pelo organismo e quanto mais escura for a pele mais ela possui melanina pigmento que como um filtro protetor solar, reduz e desacelera a síntese de vitamina D.


Vitamina por definição é uma substancia indispensável para a vida e a vitamina “D” foi identificada pela primeira vez no começo do século XX, mas hoje é considerada um pré hormônio e quando ativada pelo fígado se transforma num hormônio e intervém no metabolismo das células que dispõe de receptores específicos (VDR) e se fixa em segmentos do DNA, articulando a manifestação dos genes.


Cada um desses genes contém uma receita para fabricar proteínas sem as quais o corpo não funciona normalmente. Quase 8% de nossos genes está sob a influência da vitamina D e sabe-se que ela modula a expressão de genes importantes, particularmente no cérebro, músculos, fígado, coração e sistema hormonal.


Sua principal função fisiológica é metabolizar o cálcio e por isso seus receptores são onipresentes nos ossos, intestinos e rins, regulando a absorção intestinal, estocando nos ossos e limitando sua excreção renal.

Ela regula também a absorção de outros minerais como o fosforo e o magnésio, essenciais à homeostase óssea. Também interage com as células imunitárias pulmonares diminuindo o risco da gravidade de problemas respiratórios pelo coronavírus. É fato que a positividade do SARS-CoV-2 está fortemente associada a baixos níveis de 25(OH) D circulantes, forma “de reserva” da vitamina D.


Os dados mais atuais afirmam que mais de 80% dos pacientes infectados são deficientes em vitamina D e por isso a suplementação é recomendada pelos efeitos benéficos que pode ter sobre a imunidade Outra pesquisa mostra que taxas altas, reduzem o risco de morte em 52% em pacientes. Doses elevadas reduzem consideravelmente a necessidade de cuidados intensivos de pacientes hospitalizados em razão da Covid-19.


Por outro lado, uma propriedade fundamental da vit D é a manutenção da atividade dos linfócitos (glóbulos brancos), agentes reguladores da imunidade que evitam que o organismo ative respostas inflamatórias que liberam cito-quinas, moléculas que levam à depressão respiratória e muitas vezes à morte, já demonstrado em muitas das doenças respiratórias como a pneumonia.


A relação com a diabetes tipo 2 também é largamente documentada. Níveis baixos em pré-diabéticos, levam esses indivíduos se tornarem diabéticos.


As provas de que a vitamina D reduz o risco de doenças crônicas são numerosas e compreendem certos tipos de câncer (mama, cólon, pâncreas, útero, estomago, próstata, leucemia, melanoma e mieloma múltiplo). Um bom nível de vit D não é somente preventivo, mas também benéfico no prognostico da doença e leva a uma diminuição da taxa de mortalidade. Tem um efeito antiproliferativo, principalmente graças as células de defesa imunitária agindo sobre vias implicadas no controle da divisão celular (apoptose, anfigênese e inflamação). Seus efeitos são particularmente pronunciados em casos de câncer de cólon, seio, próstata e leucemia


NA PRATICA COMO ATINGIR UM NIVEL DE 60NG/L DE VIT D NO SANGUE?


A vitamina D é assimilada via alimentos, mas também (e sobretudo) sintetizada pelo organismo graças à exposição ao sol cuja radiação UVB penetra na pele e transforma um derivado do colesterol em provitamina D antes de se tornar o hormônio ativo (1,25-Dihydroxyvitamine D) que ainda sofre duas outras transformações (hidroxilação) no fígado e depois nos rins, mas numerosos fatores podem alterar essa síntese:

  • Altas latitudes (superior a 43 graus norte não permite a fabricação no outono e inverno (Paris por exemplo latitude 48,8)

  • Horário de exposição e inclinação dos raios solares - no meio do dia os raios são mais verticais s e a produção de vit D mais rápida

Melhor se expor por tempo curto, porém mais frequente do que adotar “toast time” na praia (03 vezes por semana entre meio dia e 16 hs durante 10 a 15 minutos expor a maior superfície de pele possível)


E a alimentação?


Fonte limitada de vit D, mas jamais se privar de peixes gordurosos (salmão, truta, arenque, dourado, sardinha) óleo de fígado de bacalhau, gema de ovo, leite enriquecido de vit D, queijo branco,

Aporte mínimo recomendado - 600 UI /dia que gera um nível sanguíneo abaixo de 20ng/ml evita os riscos de carência clássicos (anemia, raquitismo, etc), distante dos 60ng/ml preconizado para proteção máxima. Então uma ingestão de 5000 UI será preferível aos 600UI/dia e mesmo assim o nível não passa de 40ng/ml. Para atingir um nível próximo a 80ng/ml a ingestão de 10.000 UI é recomendada.


Informações úteis

  • Medir o nivel sanguíneo por exame de sangue

  • Ingestão baseada no peso corporal - 75 UI a 90 UI por quilo para adultos

  • Carência é expressa por dose menor que 10ng/ml e Insuficiência é por dose menor que 30 ng/ml.

  • Nivel para alta imunidade – maior que 60ng/ml

  • Vit D3 (colecalciferol) é mais eficaz que a D2 (ergocalciferol)

  • Doses diárias são mais eficazes que doses massivas e espalhadas

  • Doses maiores devem ser associadas à vit K (evita calcificação nas artérias)

  • Sempre durante uma refeição que contenha gordura

  • Privilegiar a refeição noturna

  • Ter níveis adequados de ferro e magnésio

  • Preferir a vit D em forma de capsulas oleosas

  • Produtos menos interessantes se encontram em farmácias

  • Produtos mais interessantes se encontram na interne

  • Somente exposição ao sol diariamente não é suficiente para impacto relevante na imunidade

Portanto, mesmo com exposição solar diária é recomendado suplemento de vit D para fortalecer a imunidade contra a COVID 19. GO AHEAD

Destaques
Arquivo